Lei Geral de Proteção de Dados: como ela pode impactar as PMEs?

Lei Geral de Proteção de Dados: como ela pode impactar as PMEs?

09/01/2020
|
0 Comentários
|

A Lei Geral de Proteção de Dados entrará em vigor em agosto de 2020. Mas, isso não quer dizer que o seu negócio deve deixar de se atentar ao novo conjunto de regras e postergar a sua adaptação. Pelo contrário: é importante avaliar, desde já, o que deve ser modificado e alinhar a companhia com os novos padrões de proteção de dados.

Para te ajudar a entender os impactos que a LGPD terá no dia a dia de negócios de todo o país, preparamos o post a seguir. Continue a leitura e veja como se alinhar com os novos padrões e a importância de se investir na área!

O que é a Lei Geral de Proteção de dados?

A LGPD é o resultado da união de um conjunto de PLs (projetos de lei) da Câmara e do Senado e tem como principal objetivo tornar o uso, o armazenamento e o compartilhamento de dados mais robusto e confiável. Além disso, ele dá às empresas que lidam com dados de terceiros, um padrão comum para o modo como informações privadas são manipuladas. Isso permitirá que políticas de segurança de dados e privacidade sejam tratadas de modo mais claro e alinhado com as demandas do mercado por mais transparência.

Como a LGPD impactará o seu negócio?

A LGPD é obrigatória para todas as empresas que trabalham no Brasil e realizam a coleta, o uso, o armazenamento e o compartilhamento de informações privadas de brasileiros. Além disso, ela é válida, também, para instituições e órgãos públicos que façam operações com essa característica.

Para as companhias nacionais, portanto, a LGPD terá um impacto direto no modo como os processos de segurança e privacidade são moldados. Além disso, a lei influencia a maneira como empresas contrataram serviços de terceiros. Afinal de contas, agora será necessário avaliar, também, se a companhia parceira está em dia com a norma.

Quais os benefícios que a adequação à LGPD pode trazer para a sua empresa?

A adequação às novas regras da LGPD deve ser vista como algo positivo. Ao moldar com mais precisão os padrões mínimos de uso de informações no Brasil, as companhias nacionais poderão executar processos de gestão e segurança de dados mais robustos e com menos riscos. Além disso, será mais difícil pagar multas por mal uso de informações ou vazamentos.

Veja a seguir os quatro maiores benefícios dessa nova regra!

Maior segurança

As empresas terão políticas de uso de dados mais robustas. Elas estarão alinhadas com os principais padrões do mercado. Como consequência, os riscos de vazamento serão muito menores.

Padrões mínimos de proteção de dados

A LGPD fornece um padrão mínimo para todos os negócios e órgãos públicos nacionais referente ao uso e o armazenamento de informações de terceiros. Isso dará uma segurança jurídica muito maior para o negócio. Além disso, auxiliará na formulação de novas políticas de segurança digital e privacidade.

Mais privacidade

Para empresas que trabalham com contratos de uso e licenciamento de serviços e softwares, a LGPD também dá mais privacidade. As companhias poderão manter um controle mais rígido sobre como os seus parceiros comerciais utilizam as suas informações. Desse modo, será mais fácil garantir a segurança digital de seus times internos.

Reforço da marca

As empresas que estão adaptadas à Lei Geral de Proteção de Dados também estarão com as suas marcas reforçadas. Afinal de contas, elas terão uma forma de demonstrar para o seu cliente que de fato se importam com a segurança digital e a privacidade do seu público alvo. Além disso, garantirão que os seus consumidores poderão realizar negócios com ela sem correrem grandes riscos de terem as suas informações vazadas para terceiros.

Como se adequar às novas regras?

Para se adaptar às novas regras, um conjunto de mudanças podem ser feitas no negócio. O ideal é que a companhia contrate um especialista para auxiliar nesse processo. Ele será responsável por rotinas como:

  • a avaliação do perfil de uso da infraestrutura de TI;
  • a identificação dos pontos que devem ser otimizados nas políticas de segurança digital e privacidade de dados;
  • a estruturação de um processo de integração de novas políticas de privacidade;
  • a atualização de rotinas e sistemas, caso seja necessário.

Entre os impactos que a LGPD traz, nesse cenário, podemos apontar como os principais:

  • a coleta de dados será feita apenas com o consentimento dos usuários;
  • todas as pessoas podem solicitar, quando julgarem necessário, a visualização, a exclusão e a modificação das informações cedidas;
  • as solicitações de uso e coleta de dados devem ser claras e justificar os fins de cada processo;
  • dados de menores devem ser utilizados apenas com o consentimento dos responsáveis legais;
  • qualquer mudança na política de privacidade deve ser comunicada ao dono dos dados e um novo pedido de uso deve ser realizado;
  • processos em que o uso de dados levam a decisões automatizadas (como análises de crédito) deve ter a possibilidade de serem revisados por um humano;
  • o uso de dados sensíveis (como posicionamentos políticos) deve ser restrito.

A segurança digital nunca foi tão importante para as empresas brasileiras. O nosso país é conhecido por ser uma vítima rotineira de grandes ataques, muitos dos quais poderiam ser evitados. Por isso, ficar atento a esse fator é algo crítico, afinal, uma infraestrutura de TI confiável é um dos primeiros passos para fazer bom uso das soluções disponíveis.

Nesse sentido, a Lei Geral de Proteção de Dados se apresenta como uma grande oportunidade para as empresas nacionais. Ela estabelece um padrão comum a todos os negócios para o uso, o compartilhamento e o armazenamento de informações privadas. Além disso, torna as políticas de privacidade mais claras e robustas.

Como consequência, investir na adaptação do negócio à Lei Geral de Proteção de Dados deve ser visto como algo que vai além de uma maneira de evitar multas. Essa estratégia é, também, um modo de tornar a companhia mais robusta e preparada para lidar com os diferentes desafios existentes no dia a dia de companhias que passaram ou estão passando pela transformação digital. Diante disso, não deixe de se alinhar rapidamente às novas regras e garantir o sucesso da sua companhia.

Gostou dessa dica e quer receber novos conteúdos do blog no futuro? Então acompanhe as nossas páginas no Facebook, no LinkedIn, no Instagram e no Twitter!

Curta e siga a gente nas redes sociais
error59